Criadouro Onça Pintada

Cachorro-vinagre, uma grande conquista!

As matrizes de cachorro-vinagre provem do Zoológico de Cuiabá e da Fundação Rio Zôo do Rio de Janeiro. O Criadouro conta com a presença destes moradores desde 2005. Atualmente, o grupo é formado por 12 animais, caracterizando assim, a maior família em cativeiro do mundo.

Assim como o cão doméstico, o cachorro-vinagre tem dois períodos de cio por ano, que variam ao longo do ano conforme o local onde vivem. A gestação dura em média de 60 a 83 dias e resulta em ninhadas de 4 a 6 filhotes. Esta espécie possui um padrão reprodutivo contínuo, isto é, reproduzem o ano todo conforme as condições da matilha.

A fêmea Olívia, mantida no criadouro a 4 anos, já teve duas gestações. Uma delas em dezembro de 2006 dando origem a 4 indivíduos machos e a segunda em 2007, originando 6 indivíduos, sendo 2 fêmeas e 4 machos.

Atualmente, por observações comportamentais do casal dominante Charles e Olívia, supõem-se que possa existir mais uma ninhada. A visualização dos filhotes é dificultada devido ao comportamento típico da espécie de escavar tocas onde fazem seus ninhos.

[…]

©2010 || OUTUBRO #Criadouro_Onça_Pintada

Belinda é o xodó do Criadouro!

Nascida no dia 13 de novembro de 2009 esta pequena felina é filha do casal Paxá e Fofa e precisou ser separada dos pais devido a rejeição da onça- mãe.

Bastante dócil e carinhosa,  Belinda habita na casa do idealizador do Criadouro, possuindo um quarto adaptado para o seu cotidiano com lugares para escalar e brinquedos para se distrair, além de poder circular à vontade pela casa.

Com tantos mimos, ainda não se sabe ao certo quando ela irá para o Criadouro. Enquanto o leite fizer parte da sua alimentação ela terá que permanecer neste local.

Por ser considerada o maior mamífero carnívoro do Brasil, sua alimentação diária também é composta por frango, carne vermelha e ovos cozidos.

Atualmente o peso de Belinda já ultrapassa os 9 Kg e quando chegar a fase adulta poderá pesar até 100 Kg.

Mesmo existindo um recinto para os pais da pequena onça, “o filhote será criado em um recinto solitário”,  explica o biólogo Henrique Chupil. Segundo ele, a onça não poderá conviver no mesmo recinto que seus pais porque não será reconhecida.  Afirma também que irá se adaptar facilmente ao novo habitat.

Mas, enquanto isto, a onça permanecerá em casa,  recebendo o carinho e a atenção necessária . Segundo a cuidadora Cristiane Sabóia ,  “Belinda é considerada o xodó do Criadouro”, fazendo o maior sucesso com todos que dela se aproximam. ”Não há quem não se encante por tanta beleza”, afirma ela.

©2010 || OUTUBRO #Criadouro_Onça_Pintada

A difícil adaptação de Tulipa

Filhote de bugio-ruivo, a fêmea Tulipa com pouco mais de três meses, foi encontrada por policiais florestais e após ser encaminhada ao CETAS (Centro de Triagem de Animais Silvestres), foi acolhida pelo Criadouro.

Por ser muito pequena e necessitar de alguns cuidados especiais, a fêmea foi colocada na chamada “maternidade”, lugar onde deve ficar o filhote antes de ser inserido no recinto externo.

A caçula tem muito apetite. Quando chegou ao Criadouro mamava de três em três horas. Hoje, estando com aproximadamente 9 meses, já desmamou, e assim como os outros animais de sua espécie, sua alimentação é composta por frutas, verduras e ração.

Aos poucos, Tulipa foi sendo inserida no recinto juntamente com outros bugios para uma tentativa de adaptação. Apesar de bagunceira e brincalhona, com os outros se demonstrava tímida e quieta. Durante os primeiros dias seus parceiros roubavam sua comida, provocando-a com gestos curiosos. Mas, devido ao comportamento agressivo do macho mais velho, não foi possível mantê-la no mesmo local.

Entretanto, ” ela ficará separada dos demais macacos até ser disponibilizado um novo recinto, para que com a chegada de mais bugios, seja possível compôr uma nova família”, explica o biólogo Henrique Chupil.

©2010 || OUTUBRO #Criadouro_Onça_Pintada

Belinda já está no Criadouro

Bastante ativa, Belinda demonstra muita alegria em seu novo habitat.

©2010 || OUTUBRO #Criadouro_Onça_Pintada

Chegada de aves exige atenção

Pixoxó

O som dos pássaros ficou mais encantador com a chegada de novas aves. São diversos cantos que se misturam entre as mais variadas espécies. Somente no mês de abril, o Criadouro acolheu noventa e dois pássaros, doados como resultado das apreensões do IBAMA, vítimas de maus tratos, posse ilegal ou tráfico de animais silvestres.

Dentre as treze espécies recebidas, apenas uma delas está ameaçada de extinção, a Sporophila frontalis, mais conhecido como Pixoxó. Logo na chegada foi preciso identificar as aves que estavam aptas para voar, com exceção daquelas que foram colocadas em recintos menores visando à reprodução.

Analisou-se cada detalhe como a presença de penas, a existência de alguma deformidade e o comportamento na gaiola. Consequentemente, foi possível decidir quais as aves aprovadas e reprovadas. Entretanto, aquelas que possuíram condições para voar foram soltas no viveiro. Já as que não passaram no teste, continuarão internadas até apresentar características necessárias para soltura.

©2010 || OUTUBRO #Criadouro_Onça_Pintada

Refúgio seguro para animais em risco

tamandua

Existem 120 propriedades mantenedoras, parceiras do Ibama, espalhadas em todo o país. Uma delas fica em Campina Grande do Sul.

Se não fosse a iniciativa de pessoas e instituições interessadas no bem-estar animal, boa parte da fauna silvestre apreendida diariamente pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) – principalmente espécies vítimas do tráfico – não teria um destino apropriado. Como o poder público não tem infraestrutura para manter os animais impossibilitados de retornar à natureza, o Ibama é obrigado a recorrer à iniciativa privada.O coordenador do Departamento de Gestão do Uso de Espécies da Fauna do Ibama, João Pessoa Moreira Júnior, explica que a prioridade é reintroduzi-los na natureza. Quando a reintrodução não é possível, no caso de animais sem condições de viver em seu hábitat natural ou de espécies exóticas, eles são encaminhados para cativeiro em zoológicos, criadores comerciais (os animais cedidos viram obrigatoriamente matrizes para a reprodução de descendentes que podem ser comercializados) e, principalmente, mantenedores, conhecidos popularmente por santuários (propriedades particulares onde os animais são mantidos sem fins lucrativos, reprodutivos e nem de exposição). “Os mantenedores são grandes parceiros do Ibama. Sem eles os animais provavelmente acabariam sem uma destinação adequada. Tanto que o ideal seria ter o dobro de mantenedores que temos”, ressalta Moreira.

[…]

©2010 || OUTUBRO #Criadouro_Onça_Pintada

Você tem alguma sugestão para o nome deste filhote?

Anta (Tapirus terrestris) pesando entre 6 e 9 kg nasceu no dia 28 de maio de 2010. Apresenta a coloração típica dos filhotes da espécie (marrom com listras mais claras), que permite uma maior capacidade de camuflagem entre a vegetação. Atingirá a coloração dos adultos por volta de 8 meses. Na natureza desmamam por volta do décimo mês, quando o filhote começa a ingerir alimento sólido, já em cativeiro, devido à maior facilidade em obter alimento, isso pode ser antecipado. É o segundo episódio reprodutivo da espécie no criadouro.

Henrique Chupil, biólogo.

©2010 || OUTUBRO #Criadouro_Onça_Pintada

A Associação de Pesquisa e Proteção da Vida Silvestrepromove a instalação de ninhos artificiais

Entre os dias 18 a 20 de junho foram instalados 20 ninhos artificiais para uma população de quase 400 indivíduos de arara-azul-grande, (Anodorhynchus hyacinthinus), na Fazenda São Francisco do Perigara, situada em Barão de Melgaço, pantanal de Mato Grosso.
Essa atitude foi promovida com o intuito de ajudar a reprodução dessa emblemática arara, um dos símbolos do Pantanal. A exemplo do que foi feito no pantanal sul, pelo Projeto Arara-Azul, esse manejo foi uma atitude que mudou a relação da espécie com o meio ambiente e promoveu sua conservação sob vários aspectos.

A instalação dos ninhos foi feita pela equipe do Projeto Arara-Azul e a construção dos mesmos patrocinada pela Associação de Pesquisa e Proteção da Vida Silvestre, que ajuda também com o trabalho de monitoramento da população desta espécie desde o ano de 2008.
Agora é aguardar para ver a resposta que esta atitude deve promover e esperar que as araras as utilizem, além de que novos casais possam utilizar esses ninhos e aumentar sua população. “Parabéns as equipes de campo”!

Pedro Scherer Neto
Museu de História Natural
Rua Benedito Conceição, 407 / Curitiba – PR

©2010 || OUTUBRO #Criadouro_Onça_Pintada

Muito prazer! Meu nome é…

Desde que nasceu, este filhote já ficou bastante conhecido. Com isto, o Criadouro ofereceu, através de seu blog, a realização de um concurso, dando ao público a oportunidade de escolher um nome para a anta, uma tarefa difícil para os integrantes da Associação de Pesquisa e Conservação da Vida Silvestre.

Foram 150 comentários e os critérios de escolha foram baseados não somente na criatividade, mas também no nome que é a cara do bichinho.

Por isto a pequena anta, de apenas dois meses de idade, passa a se chamar “Antonello”, nome enviado no dia 08 de julho por Geane Beatriz.

O Criadouro agradece a todos os participantes pela sua colaboração e promete manter o site atualizado com novas notícias do Antonello e dos demais filhotes. Continuem nos visitando.

©2010 || OUTUBRO #Criadouro_Onça_Pintada

Nascimento de Bugio-ruive reforça o papel do Criadouro na conservação da espécie

Após um período de gestação entre 180 e 190 dias, nasceu  o primeiro bugio-ruivo, Alouatta guariba, um grande sucesso desta espécie no Criadouro.  Nos primeiro dias de vida passava quase que despercebido abraçado à barriga da mãe, a qual fazia de tudo para escondê-lo. Após três semanas, bem mais ativo, passou a ficar agarrado as costas da mãe ou a do pai, enquanto estes caminhavam pelos poleiros do recinto. Ainda não se arrisca a andar sozinho . Em dias mais frios, o pai, a mãe e outro macho integrante da família se agrupam em torno do filhote para mantê-lo aquecido. É interessante destacar o quanto é impressionante e admirável o cuidado da mãe e dos outros integrantes da família com o filhote.

©2010 || OUTUBRO #Criadouro_Onça_Pintada

Contato

Enviar cópia dessa mensagem para seu endereço de e-mail.

Criadouro Onça Pintada

Associação de Pesquisa e Conservação da Vida Silvestre

+55 [41] 3029-8810

contato@criadourooncapintada.org.br

cristiane@criadourooncapintada.org.br

O Criadouro Onça Pintada é de origem conservacionista e não é aberto à visitação pública como nos zoológicos. A entrada de pessoas é permitida somente com o intuito de estudos e preservação. Mesmo assim são rigorosamente assistidas por profissionais especializados: para entrar em contato conosco e obter maiores informações, por favor, preencha o formulário ao lado, ou ligue para nosso telefone de contato em horário comercial.

Desenvolvimento:
vb2d + vis/dev